História dos Zoológicos alemães

Os zoológicos pelo mundo fazem parte de sua cultura, não apenas do ponto de vista turístico, como também um lugar adorado pelos moradores da cidade.  Todos que os visitam,  tem uma curiosidade natural  em saber como eles vivem e como é o o habitat desses belos espécimes. Na Alemanha  e na Áustria também não é diferente. Os zoológicos na maioria das cidades são muiro antigos , muito importantes e queridos pelos cidadãos. Aqui um pouco da história ilustrada dos zoológicos da Alemanha e Áustria, onde todos os anos, mais de 70 milhões de pessoas os visitam,  para ver tigres, antas, tucanos e outros animais. Ao longo do tempo,  os locais mudaram para melhor e para o bem estar desses animais.

Os pandas estão chegando!

Árvores de escalada, um riacho artificial, plantio de espécies adequadas – a chegada dos ursos panda Jiao Qing (foto) e Meng Meng é acompanhada de muito burburinho. O espaço para pandas-gigantes no Zoológico de Berlim está pronto para receber os ilustres convidados chineses. Mas nem sempre os anfitriões foram tão cordiais com outros animais, como demonstra a história.

Primeiro zoológico na Alemanha

O Jardim Zoológico de Londres inspirou Martin Hinrich Lichtenstein de tal forma que o professor de zoologia quis construir algo semelhante na Alemanha. Em 1841, ele conseguiu convencer o rei prussiano. O monarca disponibilizou 22 hectares do parque berlinense Tiergarten – literalmente “jardim dos animais” – para neles criar o primeiro zoo do país.

A chegada dos primeiros animais

Os “reservatórios abertos de animais” passaram a abrigar a partir de 1845, entre outros, dois quatis, três raposas polares, um chacal, dois texugos, 24 macacos e o presente de um príncipe: três ursos siberianos. Em 1846 vieram leões e tigres; em 1857, os primeiros elefantes; em 1861, a primeira zebra. O lado triste da história: muitos dos animais morreram em sua nova casa.

Animais exóticos em Viena

O Jardim Zoológico de Viena, o Tiergarten Schönbrunn, registrou em 1906 o nascimento do primeiro elefante em cativeiro. Em 1914, com quase 3,5 mil animais de 717 espécies, o Tiergarten era um dos maiores zoológicos do mundo e, assim, um exemplo para os berlinenses. Schönbrunn é hoje o zoo mais antigo do planeta e o mais visitado da Europa.

Precursores principescos

Na segunda metade do século 19, muitos zoológicos foram abertos em curto espaço de tempo em regiões de língua alemã. Depois de Berlim, vieram, entre outros: Frankfurt, Colônia, Hamburgo, Basileia, Leipzig e Szczecin. Em 1571,
rei prussiano Guilherme 4° já possuía um parque selvagem que usava somente para caça e no qual mantinha espécies “estrangeiras” para pesquisa dos naturalistas em sua corte.

Patrimônio histórico versus bem-estar animal

Muitas áreas cercadas, como esta casa de antílopes (foto da construção) foram construídas no século 19 no zoológico berlinense, tentando refletir a origem exótica desses animais. Apesar do requinte estético, tais espaços não correspondem ao bem-estar animal. E uma reforma não é possível porque o serviço de patrimônio histórico rejeita qualquer mudança na construção.

Educação e recreação

No século 20 também foram abertos muitos aquários na Alemanha. Além disso foram instalados também parques transitáveis de macacos, parques marítimos e de aves, ou até mesmos parques de safári onde se pode interagir com os animais a partir do próprio carro. Na esteira do milagre econômico dos anos 1950 e 1960, cidades menores também ergueram seus próprios zoos e parques de animais.

Zoo como jaula

O pós-Guerra presenciou um boom dos zoos. O zoológico se tornou um lugar de observação ao vivo. Nesse contexto, o real bem-estar dos animais assumiu um aspecto secundário. Grades e fossos separavam leões, tigres e elefantes dos visitantes. Somente nos anos 1970 a pesquisa passou a se dedicar à psicologia animal e a tentar mudar o conceito das antigas jaulas dos bichos.

De volta à natureza

Marcos dessa nova compreensão foram os espaços sem grades, construídos pelo naturalista Carl Hagenbeck (1844-1913) em Hamburgo. No “geozoo” de Munique, os animais são mantidos não de acordo com critérios sistemáticos, mas segundo continentes: leões ao lado de zebras, girafas ao lado de elefantes. Em Colônia, zonas verdes fazem recintos confinados se parecer com o habitat natural dos animais.

Futuro dos zoológicos

Jaulas estreitas e caixas de concreto estão em declínio. O futuro também depende da administração correta. Por esse motivo, algumas instituições zoológicas decidiram desistir de seus recintos de elefantes, como foi o caso do Jardim Zoológico de Frankfurt. Com uma área total de 11 hectares no centro da metrópole financeira, ele não podia proporcionar espaço suficiente para os animais.

Pesquisa no zoológico

Os zoológicos cultivam espécies para reintroduzi-las na natureza selvagem. Eles também esclarecem os visitantes sobre os habitats dos animais e lutam pela preservação ambiental. Críticos reclamam, no entanto, que não se pode justificar eticamente que animais sejam mantidos em zoos. Em vez de aprisioná-los, dizem os opositores, deveria ser feito mais por seus habitats naturais.

Habitats e lazer

Todos os anos, mais de 70 milhões de pessoas visitam zoológicos na Alemanha. Muitos deles dispõem, atualmente, de uma ampla oferta de lazer, incluindo parques de aventura, restaurantes temáticos e carrosséis. Recentemente, o zoológico de Colônia inaugurou uma fazenda em que o visitante pode observar mais de perto vacas e cabras, ampliando assim a riqueza de experiências dos moradores da cidade.
FONTE

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *